30/10/2022

Rodrigo Medina concede entrevista à Al Jazeera sobre as eleições brasileiras - 30/10/2022

Preparations for the second round of Brazil's presidential election, in Rio de Janeiro

O Ir∴ Rodrigo Medina Zagni, Coordenador de Educação da Irmandade Progressista, concedeu uma entrevista à rede Al Jazeera, sobre as eleições brasileiras. 

O Ir∴ Rodrigo é historiador e professor do departamento de Relações Internacionais da Universidade Federal de São Paulo.

Clique aqui para ver a publicação no site da Al Jazeera. Abaixo estão os áudios originais da entrevista, e o texto traduzido para o português.

Áudio original - 1 de 3

Áudio original - 2 de 3

Áudio original - 3 de 3

Eleições decisivas diante de uma realidade complexa e um destino desconhecido

Hassan Masoud
30/10/2022

Desde que o atual presidente Jair Bolsonaro tomou posse no início de 2019 de seu antecessor, o presidente interino Michel Temer, que liderou o país após derrubar a última presidente de esquerda (Dilma Rousseff) – por meio do Parlamento – e o cenário no Brasil está ficando cada vez mais dividido, isso apareceu desde o primeiro momento em que assumiu o cargo.

Naquela época, Bolsonaro lançou um slogan ao levantar a bandeira do Brasil em seu discurso de aceitação, dizendo: “Esta bandeira do Brasil não ficará vermelha novamente”, indicando que a esquerda não voltará ao poder. A partir desse momento, o "dar e responder" na política - como na rua - entre as tendências de direita e esquerda não parou.

Desde os primeiros meses de seu governo, a esquerda começou a exigir sua saída e saiu às ruas para derrubá-lo e, por sua vez, está marchando com seus apoiadores para apagar o legado do "Partido Trabalhista", cancelando seus programas sociais, ou alterando seus nomes, como cancelar o programa "Minha Casa é Minha Vida" para abrigar os mais pobres e substituí-lo pelo programa "Casa Verde e Amarela" em referência às cores da bandeira brasileira, ou remover o programa "Pacote Família" e substituí-lo pelo programa "Suporte Brasil".

Esses são apenas alguns exemplos das tentativas de Bolsonaro de iniciar uma nova era de governo no país que foi governado pela esquerda por 13 anos consecutivos, desde que seu líder Lula da Silva chegou ao poder em 2003, que estava cumprindo uma ordem judicial em prisão por acusações de corrupção quando Bolsonaro assumiu o cargo, impedido de participar das eleições presidenciais, apesar de as pesquisas de opinião lhe terem dado uma vantagem na época se ele pudesse fazê-lo contra Bolsonaro.

Pandemia e crises com início de governo

Não mais de dois meses após o governo de Bolsonaro, a pandemia de Corona atingiu o país. Na época, o presidente minimizou sua importância, descrevendo-o como semelhante a um filtro normal, e exigiu que a economia não fosse fechada, contrariando a tendência mundial da época, e contrariando também as decisões dos governadores estaduais, que aumentou a divisão e formou uma nova face da crise, em um momento em que a propagação do Corona vírus acelerou para se tornar o Brasil. Os Estados Unidos, que era governado pelo "ideal" de Bolsonaro na época (Donald Trump) , que foi apelidado de "Trump Tropical" desde que chegou ao poder, é o mais afetado por ele no mundo.

O número de mortos no Brasil devido à pandemia de Corona ultrapassou 688.000, as taxas de fome aumentaram para chegar a pelo menos 33 milhões, os preços aumentaram e as crises enfrentadas por Bolsonaro aumentaram, e a cada crise as forças da oposição vinham às ruas e exigiam sua saída e derrubada. e parlamentares estão tentando tomar medidas para isolá-lo, mas isso não o impediu de continuar no poder, com amplo apoio das forças conservadoras de direita, empresários e agricultores, cujas decisões tiveram um impacto positivo significativo na continuidade e expansão de seu trabalho durante seu governo.

O retorno de Da Silva à cena

Em meio a todas as crises políticas, econômicas e de saúde que Bolsonaro enfrentava desde o primeiro ano de seu governo, Lula foi solto da prisão em novembro de 2019 por uma surpreendente decisão judicial do Supremo Tribunal Federal, que anulou todas as suas sentenças. e concedeu-lhe novamente todos os seus direitos políticos e civis, para iniciar as campanhas antecipadas. Ambos os partidos estão se preparando para as eleições atuais.

Apesar de todas as circunstâncias que Bolsonaro enfrentou, com os preços de todas as commodities subindo e os preços dos combustíveis atingindo níveis recordes apenas 5 meses antes das eleições, e diante da pressão e expectativas da vitória de Lula (o maior concorrente) e seu retorno e seu movimento ao poder, ao contrário do que Bolsonaro havia prometido no dia em que assumiu o cargo.

O atual presidente tomou uma série de decisões extraordinárias, pelas quais aboliu os impostos sobre combustíveis e bens básicos, prestou ajuda financeira a vários grupos da sociedade e prometeu aumentar o salário mínimo e melhorar a economia em seu segundo mandato. Concorrer no primeiro turno das eleições, diante de seu adversário, e ficar com o segundo lugar (43% dos votos), que é 10 pontos acima do que as pesquisas de opinião previam para ele, e uma diferença não superior a 5 pontos de seu adversário de esquerda.

E com um bloco parlamentar de direita sem precedentes no Parlamento, constitui o maior bloco e supera o bloco do Partido Trabalhista, que também provou sua presença contínua no jogo político. Os resultados mostraram mais uma vez a extensão da divisão e polarização entre os campos da direita e da esquerda.

Um segundo turno decisivo

A apenas 28 dias do primeiro turno, acontece hoje o segundo turno das eleições, em que as pesquisas de opinião colocam o candidato de esquerda (Da Silva) à frente e esperam que ele vença, ainda que com uma margem estreita sobre o presidente em exercício.

A instituição brasileira de maior prestígio nesse campo, Data Folía, indicou que Lula receberia 52% dos votos, contra 48% de Bolsonaro.

Expectativas Bolsonaro diante de uma série de promessas (22 promessas), que é seu número eleitoral, incluindo um grande conjunto de reformas tributária e econômica, benefícios financeiros e promessas de melhoria da realidade securitária, publicou nas redes sociais na véspera do segundo rodada das eleições, seguida de uma mensagem em vídeo de apoio do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, que convidou os brasileiros a escolherem Bolsonaro como um de seus "melhores líderes, respeitados e apoiados por todos", como ele colocou. O que torna os resultados da rodada completamente inconclusivos.

Sobre isso, Rodrigo Zagni, especialista em assuntos políticos brasileiros e professor de ciência política da Universidade Federal de São Paulo, disse à Al Jazeera Net: "As expectativas para resolver as eleições são muito difíceis, mas permanece a possibilidade de que Lula vença, mas por uma pequena margem sobre seu rival Bolsonaro, dadas todas as circunstâncias. As condições políticas, de segurança e econômicas pelas quais o país passou, e a nítida e inédita divisão na visão dos brasileiros ao considerar as propostas de ambos os candidatos para lidar com isso."

Cenários de resultados

Em entrevista à Al Jazeera Net, o especialista brasileiro Zagni considera que a presença dessa pequena e limitada diferença entre os dois candidatos mantém as possibilidades abertas para os dois cenários.

Cenário um: O candidato de esquerda ganha as eleições por uma pequena margem, o que lhe permitirá chegar ao poder, mas sem apoio suficiente para ele no Parlamento, diante da presença de um bloco de peso de apoio à direita, que fará com que seu governo enfrente grandes dificuldades de governança que exigem construir relações dentro do Parlamento e obter o apoio dos partidos centristas para implementar sua agenda política, caso contrário, enfrentará obstrução de seus projetos pela oposição.

Além disso: Bolsonaro e sua campanha questionaram o processo eleitoral, o mecanismo de votação, e questionaram o presidente do STF pelas eleições em mais de uma etapa, o que abre a possibilidade de repetir o cenário da derrota de Trump nos Estados Unidos e o recurso de seus apoiadores à rua, e não aceitar os resultados como uma possibilidade possível, o que nos coloca todos sob ameaça real e devemos estar atentos a ela, a partir da reação de Bolsonaro e seus apoiadores caso não ganhem as eleições, e o possível questionamento dos resultados, o que ameaça o processo democrático e leva à instabilidade na próxima etapa.

Quanto ao segundo cenário, contrário às pesquisas de opinião que não deram resultados precisos no primeiro turno, segundo Zagni, “Bolsonaro vencerá as eleições e, neste caso, estará cercado de apoio parlamentar sem precedentes, representando por ele uma incubadora parlamentar e popular, diante da ascensão da direita no Parlamento, que poderá tornar seu segundo mandato completamente diferente, mais poderoso e capaz de implementar seus projetos e planos na gestão do país, e reduzirá a possibilidade e a capacidade da oposição de derrubá-lo ou influenciar suas decisões de forma mais fraca do que durante o último período de seu governo.

Diante desses dois cenários, destaca-se a importância e o impacto da decisão dos brasileiros neste dia eleitoral, que faz depender de seus resultados o destino da maior democracia do continente latino, assim como os rumos da política brasileira, seja para continuar sob o domínio da direita, ou retornar ao domínio da esquerda, como muitos países fizeram no continente latino nos resultados de suas recentes eleições, como Colômbia, Chile, Peru e Bolívia, em uma onda de retornar ao regime de esquerda para aqueles países cujas circunstâncias são semelhantes, apesar de seus tamanhos e realidades diferentes.



Roda de Conversa - Reflexões sobre a questão Israel-Palestina

 Início do evento em 30/11/2023, quinta, às 19h30 Clique aqui para participar   A IRMANDADE PROGRESSISTA CONVIDA PARA RODA DE CONVERSA Refle...